quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

Diário

(Márcia Oliveira)


Bem, saindo um pouco dos clássicos e voltando aqui, ao mundo dos simples mortais, gostaria de falar um pouco sobre o momento que vivo. Em primeiro lugar, é preciso dizer que isso aqui vicia, sempre que estou de bobeira em casa dá vontade de correr para a frente do computador para dividir com os outros minha paixão por Literatura...mas, voltando ao assunto, vivo um momento de maturidade pessoal e profissional, um momento de muita expectativa, angústia e medo. Estou terminando minha licenciatura em Letras e pretendo ensinar Literatura e Língua Estrangeira (Inglês), mas tenho medo de falhar...tenho medo de não conseguir ser a professora que sempre sonhei ser, apesar de já ter tido algumas poucas experiências com o magistério bastante satisfatórias.


Lembro-me com alegria de todos os professores que marcaram minha vida, do mais sizudo ao mais palhaço; lembro-me da minha primeira professora, tia Ângela...nossa, como faz tempo! Eu a amava como se fosse minha segunda mãe; meu primeiro professor de Literatura, Henrique (na 7ª série), que me chamava "minha bailarina"; lia minhas redações para a sala inteira escutar, me elogiava e dizia que eu seria uma escritora, uma poetisa. Não sei se ele tinha razão, mas sei que gostaria muito de ser como ele, ou como eles: professores que levam a sério a importância e o valor da educação, que sabem transmitir conteúdos e que são especiais para seus alunos.


Estou adorando a idéia do blog, sou muito saudosista e acho que ele está me servindo, dentre outras coisas, como uma espécie de "Diário do curso de Letras", meu primeiro livro virtual de memórias, pois aqui registro grande parte de meus trabalhos, provas, ensaios, resenhas, enfim...os momentos mais importantes que vivi na graduação. Momentos estes que levarei sempre comigo (já sinto saudades!), e prometo que tudo de bom que a comunidade acadêmica me ensinou, plantarei na sala de aula e regarei todos os dias.

3 comentários:

Drico-CE disse...

Querida amiga Márcia,

li teu blog... achei simplesmente fantástico a idéia de você através deste deturpado mundo virtual criar algo que seja agradável para os amantes da leitura (lógico, que estou incluso)... e desta forma quebrar o tabu de que a Internet só oferece coisas ruins à sociedade e afasta o sentimento humano das pessoas. Olha, li com muita atenção e verifico através de tua busca que os teus sonhos estão se realizando... você está realmente indo atrás. Torço muito por você. Em breve te ligarei e você quase não terá tempo em virtude da grande procura por uma Mestre em Literatura.

Marília Fulô disse...

Márcia, não há o menor perigo de você não ser a professora com a qual sempre sonhou se tornar! ;-)

Você é maravilhosa em tudo. Tão dedicada e talentosa.

Relaxa, viu?

Beijão meu.

PS - O blog está liiiiiiiiiiiiindo. Eu sei como isso aqui vicia! hehehehe

LITERALMEIDA disse...

Minha queriquerida Márcinha :"vivo um momento de maturidade pessoal e profissional, um momento de muita expectativa, angústia e medo.Estou terminando minha licenciatura em Letras e pretendo ensinar Literatura (...), mas tenho medo de falhar...tenho medo de não conseguir ser a professora que sempre sonhei ser, (...)".
Apague imediatamente, não precisa ser do blog, mas da tua mente essa história de angústi e medo. Lecionei muito tempo. Primeiro quero te avisar: o resultado do trabalho de professor vc nunca o verá, mas trabalho de "mestre", vc consegue obtê-lo qdo expuser, na primeira aula, os teus propósitos e remodelá-los a patir desse primeiro dia, qdo descobrires o perfil dos teus alunos. E pelo que percebi nessa mostra do teu blog, vc tem tudo para se formar professora e tornar-se desde o primeiro dia, uma "mestra em literatura". Professor é um profissional feito pela necessidade, o metre por amor pela temática escolhida. E esse amor pela literatura vc já o tem, basta permitir que ele flua narutalmente.
Marcinha, depois de retirado aquelas bobagens que disse e que copiei e colei no início deste comentário, substitua por: Deus me quer mestre e eu ESTAREI fazendo a sua vontade, SEREI mestre e FICAREI MESTRE, pois é isso que Deus quer e eu, Márcia, também quero.
É só deixar acontecer Marcinha queriquerida.
ESTEJA E SEJA E FIQUE FELIZ!
Luiz de Almeida
(Piraju, 17/02/2008 - 86 anos depois do último Festival da Semana de 22).